sexta-feira, 21 de maio de 2010

Programa `Acolher: da rua à cidadania´

Por Thiago Aragão
(DNT/ Secom/PMA)


Dar melhor qualidade de vida e uma nova esperança aos cidadãos que mais precisam. Esse é o principal significado do Programa Acolher que atende crianças, jovens, adultos e idosos em situação de risco e vulnerabilidade social. Implantado pela Prefeitura de Aracaju, coordenado pela Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania (Semasc), o Programa visa reintegrar essas pessoas à vida social, levantando a auto-estima e ajudando na melhor convivência familiar.

A abordagem dessas pessoas é feita por uma equipe preparada para esses tipos de situações, composta por 36 profissionais, entre coordenador, assistente social, psicólogo, advogado, educadores sociais, auxiliar administrativo, estagiários e pessoal de apóio. Na abordagem o contato serve para identificar as diferentes necessidades do indivíduo, verificar a existência de família, da situação social e diagnosticar o tipo de assistência que cada um necessita.

Após ter feito todo esse levantamento, o Programa Acolher define três níveis de atendimento nos quais se estruturam sua rede de proteção: baixa, média e de alta complexidade. Nas últimas semanas, o Programa atendeu o caso de um rapaz que estava isolado às margens do rio Poxim, no matagal do bairro Capucho, onde o cidadão já permanecia por muitos dias. Como se tratava de um caso de saúde mental, a equipe do Acolher trabalhou integrada com equipes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Eles tentaram convencer o homem a sair do local e ir para uma casa onde pudesse receber alimentação e higiene.



Central Permanente de Acolhimento

A Casa de Acolhida é o local no qual as pessoas em situação de risco podem procurar ajuda. Funciona 24 horas, oferecendo abrigo integral ao indivíduo por três dias, com direito a alimentação, banho e dormitório, além de um kit de higiene. Caso o indivíduo necessite de alguns serviços municipais, a equipe do Programa Acolher é imediatamente acionada para que o problema possa ser resolvido.

Enquanto o usuário está na Casa de Acolhida, também conhecida como Central Permanente de Acolhimento, tem assistência integral e orientação individual, grupal e familiar, o que fortalece sua auto-estima para restabelecer inclusive os vínculos familiares.

A Central Permanente de Acolhimento funciona na av. Edézio Vieira de Melo, nº 46, bairro São José. Informações: (79) 3179-1369.

Nenhum comentário:

Postar um comentário